Maranhão participa de acordo de combate ao crime organizado do Brasil Central

O Secretário de Segurança e Vice-governador do estado de Goiás, José Eliton esteve à frente da reunião de trabalho, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, com os secretários de segurança Pública dos estados que incorporam o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento do Brasil Central- Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Rondônia e Maranhão, onde deram início ao cumprimento do acordo interfederativo por segurança e combate ao crime organizado.

Estiveram presentes neste encontro o Secretário Adjunto da Secretaria de Segurança Pública Saulo de Tarso, representando o Secretario Jefferson Portela, a Delegada Adjunta da Delegacia Geral da Polícia Civil, Adriana Amarante, e membros do Centro de Inteligência.

O encontro em Goiânia tratou da instalação de comitês de inteligência integrada de planejamento operacional e análise criminal, formados pelos delegados gerais, secretários de segurança, comandantes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Técnico-Cientifica. O objetivo é partilhar dados do serviço de inteligência desses estados para otimizar operações, informações, investigações, softwares e práticas relativas aos crimes comuns que afetam os estados participantes desse acordo. Todos os estados têm uma correlação na questão da rota do tráfico de drogas, e a participação do Maranhão foi indispensável, por tratar do fechamento das divisas no combate a essa prática ilícita, além das explosões em caixas eletrônicos, assaltos à bancos, roubos a cargas e de veículos. A participação do Maranhão é importante em virtude da integração que possibilitou a redução no índice de criminalidade em relação aos assaltos a caixas eletrônicos. No mês de janeiro ocorreram 16 ataques a caixas eletrônicos, reduzidos para somente 4 em fevereiro, zerando em março esse tipo de ocorrências. Investidas policiais, em áreas estratégicas, com participação do serviço de inteligência e deslocamentos de tropas especiais fortemente armadas e estritamente treinadas, permitiram reduzir a zero a ocorrência desses crimes.

Há previsões ainda de debates e harmonização das propostas, como a reorganização do modelo de segurança pública, descontingenciamento de recursos de segurança pública e do Fundo Penitenciário Nacional, além de outros temas.

O Sistema de Segurança do Maranhão prima pela prevenção, por fatores sociais, inclusive com formação de um 4° comitê de ações sociais, vinculado ao comitê gestor maior.
Carolina Gomes-Ascom/SSP