Senarc inova com WhatsApp no combate aos entorpecentes

A Senarc inaugurou, na tarde desta segunda-feira (11), por volta das 16hs, o Aplicativo do WhatsApp da Senarc, que está sendo usado no combate ao crime de tráfico de entorpecentes. O WhatsApp, de número 9 9163 4899, já está disponível tanto para a capital como para o interior do Estado.

De acordo com o superintendente da Senarc, Carlos Alessandro, o aplicativo deverá fomentar e ajudar no combate a ações criminosas em todo o Estado. Dois delegados coordenam os serviços de investigação no sentido de inibir o tráfico de entorpecentes: Na capital, o delegado Valdenor Viegas e no interior o delegado Danilo Veras.3

O Superintendente da Senarc, Carlos Alessandro informou que a inauguração do aplicativo do WhatsApp é uma inovação que, com certeza, irá aumentar a demanda das apreensões de drogas na capital e no interior, pois o serviço é totalmente confiável e sigiloso, pois querendo o denunciante pode até não se identificar. “O número do telefone 9 9163 4899 terá a facilitação de receber ligações a cobrar. O cidadão pode ligar e ajudar a polícia a prender criminosos que usam o tráfico de drogas como ganho fácil, prejudicando, assim. as famílias de bem”, completou.

Prisão realizada pelo WhatsApp da Senarc

1

Carlos Alessandro disse, ainda, que o aplicativo já mostrou para que veio, pois no início da tarde a Senarc realizou uma prisão através do uso do aplicativo. O delegado revelou que, ao receber uma informação anônima pelo WhatsApp da Senarc, a equipe de investigadores fez o monitoramento que culminou na prisão do suspeito Wenis Silva Matos, 31 anos. Ele foi surpreendido no interior da sua residência, localizada no Bairro da Camboa, onde estava na companhia de outro homem. Na abordagem, foram encontradas com Weins duas armas brancas, 20 cabeças crack e o valor em dinheiro de aproximadamente R$ 90 reais. Os investigadores apreenderam ainda duas motocicletas, sendo uma Yamaha e uma Honda Bros, que serão periciadas no propósito de identificar a procedência

Wenis Silva ficou preso na Senarc para ser ouvido sobre a droga encontrada em sua residência e poderá ser autuado pelo crime de tráfico de drogas.

 

Mauro Wagner/ASCOM SSP-MA