PATRULHA MARIA DA PENHA: AQUI A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NÃO TEM VEZ

Em ação promovida pelo Ministério Público do Maranhão e com o apoio da Patrulha Maria da Penha da Polícia Militar, comandada pela coronel Augusta, realizaram na manhã desta sexta-feira (24), a caminhada contra o feminicídio, que teve concentração em frente a biblioteca pública Benedito Leite.

O evento que teve como objetivo alertar as mulheres com relação a violência doméstica, e como identificar e combater esse tipo de agressão que muitas vezes leva a vítima a morte, com o lema: “Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe, DENUNCIE”, ao longo do percurso da caminhada foram distribuídos panfletos informativos que contam como identificar e como denunciar o agressor.

A Promotora de Justiça da Promotoria da Mulher, Selma Martins destacou: “Além de chamar atenção para questão do femicídio, nós também queremos comemorar os 16 dias de ativismo, onde buscamos trabalhar nas escolas temas que prepare a nossa geração do futuro para que não venham a sofrer o que nós sofremos e estamos sofrendo, e que a mulher se fortaleça e denuncie a violência, que rompa esse ciclo de agressões”.

O QUE PODE SER FEITO?

DENUNCIE, a violência contra mulher não é só física, é também moral, psicológica, patrimonial e sexual.

Vale ressaltar que a violência acontece tanto no caso de homem ou mulher que tenha relação de afeto com a vítima, incluindo assim relações homoafetivas.

No comando da Patrulha Maria da Penha, a Coronel Augusta relatou: “A caminhada ajudará a mulher a ter conhecimento das atividades que estão sendo desenvolvidas pelas equipes das redes de proteção, para que elas possam saber como agir diante de uma situação de violência”.

A lei n°11.340/2006, ou lei Maria da Penha, é que retrata a luta pelos direitos das mulheres, direito esse de segurança, saúde, educação, cultura, trabalho, dignidade, e dentre outras, uma que seja talvez a mais importante que é a de viver, viver de acordo com suas vontades e anseios.

A Promotoria do Idoso, representado pelo Promotor Augusto Cutrim, também participou da caminhada onde destacou a importância do papel da mulher na sociedade: “A caminhada é de suma importância para despertar na sociedade que existe uma violência muito silenciosa principalmente nos lares, dos homens contra suas companheiras, esposas e namoradas. E também dizer para toda sociedade que existe lei, e instituições preparadas para combater esse tipo de violência, e dizer que homens e mulheres são iguais perante as leis, e que não será mais aceitável esses tipos de situação discriminatória e agressiva seja ela qual for o sexo, idade, e opção sexual”.

Lembramos que uma agressão não precisa envolver violência física para ser considerada violência então, denuncie.

DISQUE DENÚNCIA

Ligue 180

Capital: 3223-5800

Interior: 0300-3135-800

Casa da Mulher Brasileira / Delegacia da Mulher: Av. Prof. Carlos Cunha, 572, São Luís – MA

Jhanyfer Carvalhos /  Ascom – SSP