O Pacto pela Paz e a participação da sociedade

O Pacto Pela Paz tem permitido ultrapassar barreiras no desempenho policial maranhense etem inserido a sociedade civil no esforço de reduzir os índices de criminalidade. É essa uma definição mais construtiva do Pacto, pois ao engajamento entre a polícia, governo e demais órgão constituintes, se articulam as demais secretarias, a defensoria pública e todo o poder governamental.

A sociedade tem se organizado por meio de conselhos comunitários pela paz, a partir de conselhos comunitários já ativos dentro das comunidades, aplicando metas mais enérgicas e optativas, restando à Secretaria de Segurança Pública a colaboração executiva com os conselhos. Tanto que nos próximos dias estão em fase de formação 30 conselhos, cujos membros serão escolhidos e diplomados pela comunidade.

Os conselhos vão auxiliar a polícia a articular planos estratégicos e específicos para cada região, com envolvimento de igrejas e outras entidades, trazendo para a sociedade uma linha temática de atuação mais eficaz.

12631521_1115778695099321_8855327880461823398_n

O coordenador executivo do Pacto pela Paz, delegado Enoque Lemos, falou da responsabilidade recebida, “A formação desses conselhos é um primeiro aspecto do programa, que visa a construção de  diretrizes e metas a se alcançar. Trabalharemos as estáticas e faremos as análises criminais da questão segurança no estado, identificando os problemas maiores, como as drogas”, disse.

Carolina Gomes – Ascom/SSP