Polícia Militar de São José de Ribamar intensifica cidadania nas escolas através do projeto GIESC.

O 13° Batalhão de Polícia Militar do município de São José de Ribamar vem restringindo o índice de criminalidade e diversificando o trabalho misto de toda a equipe, haja vista que se trata de uma área muito complexa, já que abrange também os municípios de Raposa e Paço do Lumiar.

Está à frente desta milícia o coronel Alexandre Francisco dos Santos, com liderança forte e imponente, atuando com apoio da Polícia Civil. Várias operações são solidificadas, como a operação “Ação Presença”, que está vigente na comunidade apoiando e conclamando a população a interagir em consonância a PM. As abordagens do Grupo Garra e Grupo Tático Móvel (GTM), revelam-se mais enérgicas e pulsantes no coibir o tráfico e crimes hediondos.

Vale destaque o projeto “Grupo de Intervenção Escolar”-GIESC, que tem como autora a 3° SGT da PM Lourdilene Silva Castro e a soldado Marcelle Bárbara Cunha de Andrade, cuja finalidade é desempenhar, especificamente a PM, dentro das escolas ribamarenses, atividades como palestras educativas e motivacionais contra as drogas lícitas e ilícitas, assim também como o bullying e a violência escolar. Um trabalho que instrui sobre direitos e deveres de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente-ECA. O colaborador, 2° sargento Francisco Rolver Zeferino, revela o comprometimento da PM junto as instituições e afirma que as palestras ministradas agregam valores assertivos.

O projeto tem objetivos característicos como mobilizar a classe estudantil na tentativa de fazê-la entender que o projeto é uma soma e tende a se multiplicar de forma positiva e fortalecer o comprometimento deles com a sociedade, sendo um bem comum para ambos. Seu desenvolvimento consiste em ter um contato direto com os gestores das escolas, assim como na identificação das escolas com maior vulnerabilidade.

A violência escolar está relacionada a fatores externos e internos do aluno. Na perspectiva do interno estão as questões raciais, as redes sociais e principalmente o bullying, que tendem a propiciar e generalizar a formação da violência. Já no externo estão o mal relacionamento e o convívio dentro de suas casas, punições exageradas dadas pelos pais, a falta de diálogo e a falta da presença ativa dos responsáveis.

O coronel Alexandre ressalta que, “No entanto, reconhece que falar sobre drogas e violência com alunos, não basta. A importância do envolvimento dos pais é de suma relevância, fato este que faz com que a equipe do GIESC trace toda uma metodologia para a implantação com eficácia do projeto, seguindo o ciclo de, escola, professores, alunos e pais, enriquecendo uma boa conduta entre um e outro”.

“A equipe do 13° Batalhão de PM, tem sido o guardião da sociedade ribamarense e áreas vizinhas e sua meta é a atuação intensificada e enérgica dentro desses polos”, disse o coronel Alexandre dos Santos.

Carolina Gomes – Ascom/SSP