Operação integrada entre as Policias do Maranhão apreende um milhão e meio em entorpecentes em Jenipapo dos Vieiras

 A Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), apresentou, durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira (12), o resultado da operação das Policiais Civil e Militar que foi deflagrada na cidade de Jenipapo dos Vieiras, mais especificamente na aldeia indígena Felipe Boner, onde foram apreendidas cerca de duas toneladas e meia de maconha.

O resultado da ação policial foi divulgado durante uma coletiva de imprensa no auditório Leofredo Ramos, Outeiro da Cruz, presidida pelo gestor da pasta da SSP, Jefferson Portela.

 Estiveram presentes compondo a mesa, o delegado geral da Polícia Civil, Lawrence Melo; o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Frederico Pereira; delegado Renilto Ferreira, titular da Regional de Barra do Corda, Superintendente da Policia Civil do Interior em exercício, delegado Jalingson Freire e o comandante do 15° Batalhão de Polícia Militar de Barra do Corda, ten-cel Passos.

“Estamos aqui para divulgar o resultado de mais uma ação do estado de Maranhão para o saneamento do meio social que tem a sua vida perturbada pela disseminação de drogas, destruindo famílias e pessoas que teriam uma outra trajetória se não passassem pela fronteira do uso de drogas ilícitas. E agora, já no início de 2017, já temos a maior apreensão de drogas da história do Maranhão. Isso mostra a competência das autoridades que integram o Sistema Estadual de Segurança em suas unidades policiais”, disse Jefferson Portela.

Segundo informações repassadas pelo titular da Regional de Barra do Corda, delegado Renilto Ferreira, após quatro meses de apuração policial foram apreendidas cerca de duas toneladas e meia de maconha, três veículos – incluindo uma SW4 do cacique Darlan – cinco armas de fogo e duas prensas artesanais.

Ainda durante a coletiva, o delegado Renilto Ferreira divulgou para a imprensa que foram presos na primeira fase da operação, em decorrência do cumprimento de mandados de prisão preventiva, Darlan Guajajara de Sousa, 36 anos, cacique da aldeia e suspeito de liderar o grupo que praticou a ação; além de Jacilene Guajajara de Sousa, 43 anos, Licinha Carvalho Guajajara de Sousa, Laide Guajajara de Sousa, Erivan de Sousa Carvalho Guajajara, Ezequiel Carlos Atanazio Guajajara, e Elizaldo de Sousa Carvalho Guajajara.

O delegado Renilto Ferreira disse, ainda, que a droga apreendida iria abastecer a cidade de Imperatriz e os estados de Tocantins, Goiás e Brasília. A droga aprendida foi avaliada em um milhão e meio de reais.

O delegado geral Lawrence Melo afirmou que “Nunca tínhamos chegado a essa representatividade do êxito de uma ação policial que resultou, de uma só vez, na apreensão de tão grande volume de entorpecentes. Droga essa que iria gerar roubos, homicídios e furtos que foram evitados numa ação grandiosa do Sistema de Segurança Pública do Estado do Maranhão. Isso é fruto de um planejamento organizado há mais de dois anos, logo no início da gestão do secretário Jefferson Portela e da integração das Policiais Civil e Militar. Destaco, principalmente, a prioridade que o governador Flávio Dino dá ao combate à criminalidade, visando primeiramente e tão somente a qualidade de vida da sociedade maranhense no tocante à segurança pública”, finalizou o delegado -geral, Lawrence Melo.