Acadepol cria escolinha de futebol para crianças e adolescentes de São Luís; SEIC desenvolve programa “Luta pela Vida”.

Afastar crianças e adolescentes do mundo das drogas e da criminalidade é o principal alvo do programa “Pacto pela Paz, através da Escolinha de Futebol de Campo e Futsal, programa desenvolvido pela Academia de Polícia Civil do Maranhão (Acadepol) por meio de aulas de futebol gratuitas para meninos e meninas entre 9 e 17 anos, que estejam frequentando regularmente a escola.

Lançado no último sábado (24), o Programa atende cerca 115 crianças vindas do bairro São Raimundo e adjacências, visa proporcionar um futuro melhor aos alunos da comunidade, dando uma oportunidade de participar das práticas esportivas de futebol nas dependências da academia de polícia, contribuindo para o desenvolvimento e formação, visando a aplicação das técnicas esportivas.

Além disso, o programa objetiva o desenvolvimento de campeonatos e torneios, como forma de revelar novos talentos futebolísticos. O projeto da Acadepol é fruto de uma parceria entre o Programa Pacto pela Paz, o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do São Raimundo, Conselho Comunitário Pacto pela Paz e Associações Comunitárias.

“Os trabalhos voluntários nas comunidades são essenciais. É bom ver a alegria destas crianças e adolescentes com a pacificação. Estamos realizando sonhos desses pequenos, em se tornarem jogadores de futebol, mas estou certo mesmo é de que formaremos bons cidadãos”, disse o Diretor da Acadepol, Aurélio Queiroz.

Demais Projetos

São trabalhos dessa magnitude que mostram um lado pouco conhecido da Polícia Civil pela sociedade. Outro programa em plena evolução é o “Luta pela Vida”, coordenado pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) que nasceu da necessidade da inclusão social por meio das artes marciais.

As aulas são ministradas por homens do Grupo de Resposta Tática (GRT) da Superintendência e desenvolvidas para crianças da comunidade do Bairro de Fátima, no intuito de contribuir para a formação por meio do judô e Jiu-Jitsu.

 

 

Anselmo Oliveira – ASCOM/SSP