Segurança apresenta últimos presos da Operação “El Berite II”

(Foto: Nilson Figueiredo)

Dando sequência às ações no combate ao crime de agiotagem envolvendo prefeituras do Maranhão, foram apresentados, na tarde desta quinta-feira (26), pela Superintendência Estadual de Combate à Corrupção (Seccor) Charles da Silva Viegas e Maria José Viegas, presos em decorrência da operação ‘El Berite II’.

O resultado final da operação ‘El Berite II’ foi explanado através de coletiva de imprensa, na sede da Secretaria de Segurança Pública, pelo gestor da pasta, Jefferson Portela. Participaram também da coletiva, o delegado geral da Polícia Civil, Augusto Barros; delegados Lawrence Melo, Roberto Forte, Leonardo Bastian superintendente e integrantes da Seccor, respectivamente.

Nessa última etapa da operação, foi dado cumprimento aos últimos mandados de prisão preventiva, no bairro do Morumbi, em São Paulo, desfavor do Charles da Silva Viegas e Maria José Viegas. O casal foi preso na capital Paulista, em ação policial que teve apoio do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DEIC), na noite da última quarta-feira.

De acordo com o delegado geral, Augusto Barros, Charles da Silva e Maria José Viegas são proprietários da empresa que deu nome à operação desencadeada pela Polícia Civil do Maranhão denominada ‘El Berite, ’em alusão ao nome da empresa, que em hebraico significa deus de concreto. A empresa era usada como fachada para desviar recursos públicos do município de Bacabal, de onde foram desviados R$ 4 milhões de reais.

Na primeira etapa da ‘El Berite’ realizada  em maio deste ano, que teve como objeto de investigação o município de Bacabal, foram cumpridos quatro mandados de prisão temporária e um de condução coercitiva. A ação contou com apoio do Grupo de Atuação Especial no Combate a Organizações Criminosas (Gaeco), do Ministério Público. Foram presos o ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Nonato Lisboa; o ex-presidente da Câmara dos vereadores de Bacabal, Manoel Moura Macedo; o ex-presidente da comissão de licitação do referido município, Aldo Araújo de Brito e o dono de uma distribuidora de medicamentos, Francisco de Jesus Silva Soares. Também foi cumprido um mandado de condução coercitiva em desfavor da ex-secretária de cultura do município de Bacabal, Maria do Carmo Xavier. Na época, todos  foram conduzidos à sede da SEIC,em São Luis.

“Isso precisa ter um fim. As pessoas precisam entender que o dinheiro público é para ser aplicado na finalidade pública definida. Quem quiser enriquecer, que faça de forma licita. Essa cultura maligna tem que acabar. A ordem é investigar, prender e devolver o montante que foi desviado”, frisou o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela.

Na mesma coletiva, foi anunciada, pelo delegado Leonardo Bastian, da Seccor,  prisão de Washington Oliveira, contador e secretário de Finanças da Prefeitura de São Mateus. O delegado Leonardo, informou, ainda, que durante as investigações foi constatado o desvio de dois chegues avaliados em 102 mil reais, do governo municipal daquela cidade.

Foi apurado pela Seccor que, sabendo da condição de Washington Oliveira como funcionário público da Prefeitura de São Mateus, Josival Cavalcante da Silva, o “Pacovan” exigiu o repasse dos chegues para a realização de um assunto particular de ambos.

“O dinheiro foi apreendido antes que ele fosse sacado. Não houve prejuízo, porém houve a tentativa. O Pacovan e o Washington foram indiciados pelo crime de peculato. Com parecer favorável do Ministério Público de São Mateus, foram decretadas as prisões preventivas de Washington e Pacovan”, informou Leonardo Bastian.

Clara Fonseca / Ascom SSP