Ação integrada de monitoramento promove segurança no Paes 2016

Uma Central de Comando e Controle de Segurança foi montada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) em uma ação que articulou órgãos de segurança estaduais, municipais e a organização do Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (Paes) 2016, realizado pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema). O objetivo do trabalho integrado foi fortalecer a segurança durante os dois dias do certame. Mais de 500 policiais foram mobilizados para participar da ação tanto nos 150 locais de prova quanto nas ruas e avenidas das cidades onde as provas foram aplicadas neste domingo (8) e segunda-feira (9).

“Quero parabenizar o sistema de segurança pública pela capacidade de organização e controle, bem como pela ação integrada com todos os órgãos envolvidos na regulação dos trabalhos do Paes”, afirmou o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela. Além das Polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros, a Central reuniu ainda a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A Central conta com videomonitoramento para acompanhamento da circulação nas principais vias e proximidades das escolas onde as provas estão sendo realizadas. Foram observados tanto movimentação de pessoas, quanto fluxo de veículos ou qualquer outra alteração na dinâmica da região, para evitar problemas na logística dos candidatos ou na rotina da população em geral. Apenas na Central de Comando e Controle de Segurança, mais de 50 pessoas executam o monitoramento e direcionamento de informações.

Segundo o diretor de Ensino da Polícia Militar do Maranhão, coronel Antônio Roberto dos Santos Silva, a organização da Central de Controle para monitoramento em processos seletivos é uma ação inovadora no Maranhão, que foi implementada pela primeira vez no Estado durante o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no mês passado.

“A ação foi muito bem sucedida e estamos repetindo agora durante o Paes. Para o Enem, recebemos observadores de Brasília do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), dos Correios e da Polícia Federal, que vieram acompanhar nossa experiência e aprovaram o trabalho, que levou em conta planejamento e organização. Esta é uma megaoperação que permite maior agilidade e distribuição correta de tarefas”, comentou o coronel.

A chefe da Divisão de Operação de Concursos e Vestibulares da Uema, professora Márcia Cristina Gomes, lembra que esta edição do Paes teve número recorde de inscritos – mais de 42 mil pessoas -, além de um número recorde de inscritos especificamente para o curso de Medicina, o que ocasionou uma concorrência ainda mais alta na área: 210 candidatos por vaga. “Isso nos exigiu uma atenção redobrada para evitarmos fraudes”, citou a professora. Ela acrescentou que os 20 municípios do interior onde também estão sendo aplicadas as provas do Paes 2016 receberam uma equipe com professor e policial militar, reforçada com o policiamento local de cada município.

Segundo o diretor do Centro Integrado de Operações de Segurança, Coronel Jorge Luongo, a Polícia Militar do Maranhão trabalhou em parceria com outros estados, principalmente na identificação da veracidade da documentação dos candidatos provenientes de fora do Maranhão. “Tivemos um monitoramento especial para a verificação da documentação de candidatos de outros estados, como do Pará, por exemplo, de onde vieram 152 candidatos”, informou Luongo. Ele frisou, ainda, a importância da ação conjugada dos órgãos de segurança. “Qualquer demanda, inclusive no interior do Estado, é reportada diretamente para a Central, com o acionamento automático de todos os órgãos em cadeia por aqui”, disse Luongo.

Agentes de trânsito e guinchos também foram disponibilizados pela SMTT em regime de plantão para a operação durante os dois dias de provas. Eles monitoravam a movimentação de veículos nas escolas de maior fluxo, como Liceu Maranhense, Cegel e Uema, e, ao mesmo tempo, uma equipe acompanhava o videomonitoramento na Central de Controle. Em caso de ocorrências ou congestionamentos, agentes nas viaturas eram deslocados para o local. Equipes do Samu e do Corpo de Bombeiros também foram escaladas e ofereceram suporte ao longo dos dias de prova.