POLÍCIA CIVIL DO CONCLUI CURSO NA ÁREA DE GENÉTICA FORENSE

O curso de Estatística aplicada à Genética Forense, promovido pela Delegacia Geral e Academia Integrada de Segurança Pública (AISP) foi encerrado na sexta-feira (31). A solenidade teve a presença do delegado Geral da Polícia Civil, Augusto Barros; do superintendente da Polícia Técnico-Científica, Miguel Alves; e a diretora da AISP, Katherine Chaves.

Com duração de 40 horas, o curso foi ministrado entre os dias 27 e 31 de julho, pelo perito criminal da Polícia Científica do Paraná, Marcelo Malaghini. Foram capacitados seis peritos do Maranhão e sete do Piauí, Rio Grande do Norte, Pará e Amapá. Ao final do curso, os alunos receberam um certificado.

O Delegado Geral da Polícia Civil, Augusto Barros, enfatizou que o curso é um marco para a instituição. “A interação com peritos de outros estados vai auxiliar na formação de uma grande rede de cooperação, a fim de reunir informações diversas, análises distintas que possibilitarão encontrar a materialidade e a autoria de crimes, a partir de perfil genético”, disse o delegado explicando que a medida integra as ações em prol da política de promoção de paz do governo Flávio Dino.

Os profissionais do Maranhão que participaram da qualificação, segundo Augusto Barros, vão compor o Instituto de Genética Forense. “Com isso, uma série de perícias, que dependiam da cooperação com outros estados, passarão a ser realizadas no Maranhão, o que vai qualificar ainda mais as investigações policiais”.

Para o superintende da Polícia Técnico-Científica, Miguel Alves, o curso superou as expectativas. “Estamos fazendo a qualificação dos peritos para obtermos uma melhor resposta da análise dos vestígios. A Academia de Polícia está com o ritmo bastante acelerado em termo de capacitação e não temos encontrado nenhuma dificuldade”, pontuou.

A diretora do Instituto de Genética Forense, Christhiane Cutrim, ressaltou a importância da qualificação para as atividades periciais. “Peritos criminais do Maranhão, que irão compor o Instituto de Genética Forense, e peritos de outros estados tiveram a oportunidade de reciclar os seus conhecimentos na área de estatística voltada para Genética Forense. O professor Malaghini tem muita experiência nessa área. Foi muito proveitoso para todos os alunos”, frisou.

O ministrante do curso, Marcelo Malaghini, informou que o conteúdo do curso envolve teoria, realização de exercícios de cálculos manuais e, também, a utilização de software.

Para o perito do Rio Grande Norte, Fabrício Fernandes, o curso abriu espaço para a integração entre os estados. “É uma vivência importante porque fortalece a essência Forense. Espero que o Governo do Maranhão continue investindo em qualificação, porque é importante a formação continuada”.

O perito do Maranhão Walisson Cantanhede disse que o curso foi muito esperado pela equipe do Instituto de Genética Forense. “O professor Malaghini tem uma larga experiência e a capacitação proporcionou uma interação entre profissionais de vários estados”.